Pão da Sophie

Entrevista de Hoje – Perguntas Frequentes

Fui procurada por um jornalista que queria difundir o veganismo para a comunidade no geral e ele me fez as seguintes perguntas. Quis compartilhar com vocês todos o conteúdo, espero que gostem 🙂

Qual o maior desafio de ser vegana?

Acredito que o maior desafio dos veganos hoje em dia ainda é a pressão social e a vida levada na rua. Apesar de ver muitas opções pipocar em vários locas no Brasil (fico tão feliz por isso, Go Brasil Go!), o veganismo ainda é a minoria então escuto queixas de gente que me diz ter dificuldades em manter os bons hábitos alimentares quando passa o dia inteiro na rua, tendo que comer onde estão, pois nem sempre há possibilidades equilibradas a preços abordáveis.

Porém, a maior dificuldade é social. As pessoas que não foram iniciadas ou sensibilizadas ao fato de que somos o que comemos, e que ainda comem produtos industrializados e processados, muitas vezes, discreditam, criticam ou ridiculizem escolhas veganas, com frases tipo: “mas as plantas também sofrem…” quando você explica a sua vontade de não contribuir à exploração e sofrimento animal, ou “você deve ficar fraco, cadê suas proteínas?” pois pensam o quê a indústria agroalimentar investiu milhões em marketing ao longo das últimas décadas para criar pensamentos sem fundamentos como: se eu falo proteína, você pensa “carne”, se falo cálcio, você pensa “leite de vaca”, se falo omega-3, você pensa “Peixe”, isso tudo não é nutrição, é MARKETING, e é bem ancorada nas mentes que não procuraram educar-se além das informações que foram incutidas nas cabeças delas. Mente vigilante sempre alerta é chave do despertar.

O que acontece? Quando uma pessoa que come uma alimentação convencional entra em contato com um vegano ou tem uma convivência em volta da mesa com alguém que come 100% vegetal, ela fica entre curiosa, incomodada e envergonhada, pois suscita curiosidade por ser algo muito remoto ao que faz a vida daquela pessoa, fica envergonhada pois já sabe que o veganismo é algo mais saudável tanto para o corpo como para o planeta, já sabe que é um estilo de vida ético e a pessoa vegana irradia uma luz que não se pode ignorar, energia não mente, rsrs e por fim, fica incomodada pois mexe com a zona de comforto dela. De duas coisas uma: ou ela critica, menospreza e discredita esse estilo de vida pois é mais fácil de desvalorizar essa opção ao invez de rever todos seus conceitos e hábitos, ou ela opta por mudar, e dai, o precipício aparece na frente dela… “Meu Deus, por onde começar? o que os outros vão dizer? Viiix”, complicado de mais, medo e desculpas surgem.

Mas lá no fundo, a semente foi semeada, e a palavra feliz final é que todos os dias, tenho depoimentos de gente que eram frequentadores de MacD*%#@’s semanais, e agora vêm me dizer: “Sophie, tenho problemas de consciência agora em relação à alimentação, preciso aprender a comer mais saudável, mais ética”, ou “estou começando a ter dor dos animais”, enfim, foram nem um nem dois depoimentos, mas muitas pessoas, as vezes, as mais inesperadas, fazendo questão de vir me dizer que elas estava comendo cada dia mais saudável. Fico super feliz e honrada de poder instigar isso nas pessoas em minha volta. Agora é se armar de paciência, de calma, de amor, de compaixão e de colaboração. Vamos junto criar o mundo de amanhã, pois frente a este planeta e população em estado geral de degeneração, até a própria ONU já disse: “O mundo de amanhã será vegano, ou simplesmente, não será”.

Como você vem de uma cultura em que praticamete tudo na culinária envolve ingredientes de origem animal, foi difícil abandonar alguns hábitos?

Eu amo esse fato pois é a melhor maneira de eu fazer com quê as pessoas possam acreditar que elas também conseguem. Sempre brinco: “Tem mais queijos do que dias no ano na França, eu fiquei 10 anos jurando que jamais largaria o queijo, eu heim? está louco?”, ou “quando eu via sangue, eu salivava”, pois era verdade. Apesar de eu nunca ter gostado muito do jeito que minha família se alimentava, a comida é também emocional, então, como todo mundo, desenvolvi gostos. Os produtos animais foram um elo da minha conexão com meu pai. Conexão pai-filha, não preciso fazer um desenho para vocês né. Então, eu tinha 8 anos, e para ver aquele olhar de aprovação do meu pai sobre mim, eu comia junto com ele coisas horrorosas como pés de porco ou tripas “a moda de Caen”. O meu único objetivo era conectar com meu pai.

Imagina! Eu sempre fui amante dos animais, eu nutria as aranhas, eu descia de bike para salvar os besouros e os porcos-espinhos que atravessando o asfalta, e o que eu mais gostava eram as caixas de pêssegos, nectarinas e damascos que minha mãe comprava no verão, subir nos cerejeiros e aveileras da casa do meu vô. Quando saí da casa dos meus pais, larguei a carne porquê eu não sentia necessidade, nem vontade, e estudante, sabe como que é, vive quebrado, e eu tinha um apartamento, um carro, e um gatinho, tudo isso custa, então, como nunca fui aquela consumidora, a única coisa na qual eu pudia fazer “cintura” era comida, e o que era caro na minha comida era carne, frios e peixe, então na hora, deixei baixo, e me surpreendi ao me sentir melhor sem essas comidas. Mas igual, fiquei 8 anos vegetariana, fui viver no Canadá durante o meu mestrado, e lá eu ainda comia laticínios e ovos, eu não tinha feito meu trabalho de pesquisar para saber como eram produzidos esses produtos e o quê eles implicavam em termos de meio ambiente e de saúde.

Ai, um belo dia de 2008, assisti um documentário chamado “Eating” (comer), que pela primeira vez, mostrava que todas as doenças como câncer, diabetes, problemas cardiovasculares e doenças neurodegenerativas eram cientificamente relacionadas aos hábitos alimentares. Fiquei chocada. Retratava a realidade dos Estados Unidos e mostrava a real da produção dos laticínios, o impacto sobre o corpo, e como os produtos animais empurravam a gente para o caixão (é ali que descobri que o segundo nome do colesterol de origem alimentícia que só se encontra em produtos animais é “vingança dos animais” pois matou os animais para comê-los mas ao ingerí-los, eles te mataram também), enquanto os produtos vegetais resgatam a integridade de seu corpo, principalmente do seu sistema circulatório e digestivo (que são os mais detonados pelo consumo de produtos animais e derivados).

Se foi, qual foi o motivo que te fez largar os “alimentos” mais difíceis de resistir?

Entender porquê eles são tão difíceis de largar. Por exemplo, todos nós temos um apego gigantesco aos queijos e às massas. Ai fui fussar o porquê.

É emocional? Em parte. Nós somos regid@s por redes neuronais, que reforçamos com algo chamado de feedback positivo. Cada vez que estamos com fome, a gente fica desejando determinadas comidas. Com a fome, a gente reforça esse pedido e soltamos quantidades de hormônios de prazer ao satisfazer aquela fome com aquela comida. Cada vez que isso acontece, você reforça uma verdadeira “rodovia” neuronal, associada a este hábito, essas opções alimentares, essas emoções. Quanto mais você faz isso, mais larga e bem estabalecida fica a rodovia neuronal. Agora imagina que você tem reforçado essas rodovias por quantos anos e quantas vezes por dia? Isso é uma verdadeira rodovia nacional, com placa, prêmio e reconhecimento, kkk, fica tão forte que a princípio, quando altera as opções, fica sem graça e sem gosto. É duro, mas juro que logo passa. Mas estudar o que tem dentro de sua comida e o quê ela faz em você, e como ela é produzida ajuda, pois além de um estômago, a gente tem um coração e uma consciência, que vêm falando cada vez mais fortes, graças a Deus.

Em relação aos latícinios, vou contar a história que tem por trás dessa paixão geral para este grupo de alimentos.

Acontece que se a gente for se comparar com os nossos primos os primatas, nascemos pré-maturos. De fato, sem os cuidados e a nutrição pelo peito materno, nós morremos. E é através do leite materno (e do carinho e atenção, é claro) que terminamos o nosso desenvolvimento. Os bebês não estão realmente prontos para o mundo exterior quando nascem, imaginem, eles nem podem andar! Se a gestação durasse o tempo suficiente para nos nascermos prontos para encarar o mundo, ela duraria 21 meses e daí, obviamente, não passariamos pelo canal vaginal. A compensação da mãe Natureza por nascer antes da hora foi providenciar esse leite materno que contem tudo o que precisamos para terminarmos a nossa formação inicial. Através do leite materno o bebê recebe um monte de substâncias mensageiras. Essas substâncias auxiliam ele no desenvolvimento e funcionamento de diferentes órgãos, incluindo o cérebro. E como o leite materno é importante, ele contem substâncias para garantir que o bebê vai querer beber bastante leite, e o tempo todo. Além de peptídeos não-opióides que estimulam o apetite, tem vários opióides escondidos nas proteínas de leite como a caseina, a lactalbumina, beta-lactaglobulina e lactoferrina. Para garantir que os bebês absorvem um máximo de peptídeos opióides e fatores de crescimento, o leite contem também substâncias que aumentam a permeabilidade do muco intestinal, prevêm a decomposição dos peptídeos, que são geralmente difíceis de digerir. Os peptídeos opióides causam dependência física no jovem, para garantir que ele beberá bastante leite materno, e para fazer com que ele durma o suficiente. É comprovado que esses opióides causam constipação. Infelizmente os adultos consumidores de leite também absorvem esses peptídeos opióides. Devido ao fato que a indústria alimentícia quer que a gente fique viciados nos alimentos que eles vendem pois é lucrativo (desculpa a sinceridade), você vai encontrar produtos de leite e trigo e derivados numa variedade enorme de produtos, até em alguns produtos de carne! rsrs

Porquê estou falando do trigo? Porquê ele é o ingrediente principal do outro grupo de alimentos que as pessoas dizem AMAR. Agora vamos olhar de perto. Você sabia que uma única molécula proteína do trigo (glúten) contem até 15 peptídeos opióides? Contem uma série de peptídeos opióides extremamente potentes. Alguns desses peptídeos são até 100 vezes mais poderosos do que a morfina.

Pode entorpecer o movimento peristáltico ao ponto de constipar. Pode endoidar tanto que houve casos de esquizofrenia curados retirando alimentos de trigo da alimentação. Tem melhorias observadas em casos de autismo quando retira o lactose e o glúten da alimentação das crianças autistas. Além disso, para compensar o efeito analgésico dos peptídeos opióides, os produtos a base de trigo contêm um extrato chamado extrato-alecrim, que dá um ânimo.

Para que servem os alimentos a base de laticínios e trigo então? Bom… Vamos pensar concretamente… Mastigar pão pode aliviar dor de dente por 10 minutos. Quem tem o intestino solto, pode comer produtos laticínios e de trigo que vai dar uma maneirada, se o estômago estiver muito ácido, os laticínios podem dar uma acalmada. Mas lembre disso: Não são comidas, são drogas. Agora, você decide.

Para promover e incentivar mais pessoas à aderirem ao Movimento, o que você diria?

Eu diria que esse processo é um processo consciencial, que vai alinhando sua vibração com uma vibração mais sutil. Ao optar por uma alimentação baseada em plantas, você irá se sentir tão bem, tão melhor, que você irá ficar motivad@ por isso só. Seus problemas crônicos com os quais você sempre viveu vão sumir, você nunca mais vai ficar gripado e resfriado, você vai gostar cada dia mais do seu reflexo no espelho, mas o mais importante é que sua conexão com seu corpo, com as outras formas de vida e com o planeta vai amadurar, você vai deixar de se sentir culpad@ ao comer, e isso, principalmente para as mulheres será uma novidade muito bem vinda!! Pois é, comer vegetais ajuda a mulher a resgatar a silueta que ela gosta, e que provavelmente nunca conseguiu alcançar com dietas de restrição calórica, atendimento nutricional tantas vezes equivocado ou horas na esteira na academia. Pois nunca fomos feitos para comer animais e derivados e o corpo não perdoa. Mas os produtos vegetais trabalham a favor de sua viçosidade natural. E os pensamentos também se sutilizarão, você será menos agressiv@, menos a fim de “tretar” ou discutir, perceberá melhor a sua intuição, estará mais a fim de se involver com atividades espirituais e grupais. As frequências vibratórias as mais elevadas que podemos experimentar nessa vida humana é Luz e Amor, que são muito parecidas. Quanto mais você eleva a sua vibração, pelo que come, bebe, sente e pensa, mais você se aproxima dessa vibração. Quem não vai querer viver na onda do Amor? Que cresça e floresça!! A vibração do planeta e do Universo estão sutilizando-se a medida que o Universo se expande então, ela está trabalhando ao favor da sutilização geral da consciência humana, que fará com que as pessoas passem a sutilizar seus modos de viver, comer, relacionar-se com os outros e com o planeta. Halleluya. Esperei muito por essa época fantástica.

Quais os pontos que faria um não-vegano/vegetariano repensar seu estilo de vida?

Creio que quando criança, não é difícil fazer a criança optar pelo veganismo pois é doce, é variado, é colorido, é divertido e as crianças naturalmente amam a natureza e os animais. Quando elas sacam de onde vêm os produtos animais, elas não querem, choram e fazem a educação dos pais, alguns vídeos circularam de forma viral nas redes sociais, como esse:

https://youtu.be/8JsfV3u2uFw

ou esse também é legal.

Sempre digo que se você colocar na frente de uma criança de 2 anos uma banana e um coelho, chances são que a criança vai morder na banana e acariciar o coelho. Não porquê foi incutido na cabeça dessa criança, é o instincto.

Agora, adultos é outra coisa, principalmente pelos motivos que descrevi acima, de redes neuronais e apegos emocionais às comidas. Comida da mãe? Comida da vó? Comida daquela cantina que você sempre ia? Aquele lanche que você comida depois daquela atividade bacana, ou junto com aquelas pessoas queridas? Essas são firmadores de hábitos, que são difíceis de superar. Alias, sempre digo que a mudança a mais difícil que podemos encarar na nossa vida é a mudança dos nossos padrões alimentares. Mudar de casa, de parceir@, de atividades, de amigos, de cidade, mudanças de modo geral são difíceis, mas mudar o nosso jeito de comer, que é tão associado com o carinho, com a segurança, com a satisfação e o apego familiar ou do nosso querido cotidiano, é a mais pesada de todas. Então, sempre falo a real para a pessoa.

O desejo de mudança tem de vir da pessoa, não de uma ideologia ou uma mera vontade do momento. Ninguém muda ninguém. Ela tem de vir do coração, das tripas mesmo, pois não vai ser fácil uma vez que  tem desafios químicos e emocionais, além de quebrar hábitos. Requer uns 21 dias para você criar novas redes neuronais ou seja a princípio, você vai ter que força a mudança, na base da vontade, da vontade inquebrantável, isso requer força de vontade, determinação, foco e intenção.

O que ajuda a pessoa a mudar sempre são as tais das “doenças” ou doenças crônicas ou degenerativas. Quando bate na bunda, ai sim, a gente toma atitude. Mas para quem ainda não chegou nesses níveis tristes de intoxicação e degeneração, eu gosto de sensibilizar sobre o fato dos hábitos alimentares e do que os mesmos fazem sobre sua saúde. Sempre vêem que poderiam ter um conforto de vida melhor, sem constipação, sem problema de pele, sem enxaqueca, sem menstruações doloridas, sem partos complicados, sem problemas circulatórios ou problemas de peso. Diabete, câncer, doenças neurodegenerativas como Alzheimer’s, tudo isso pode ser revertido ou reduzido com mudanças alimentares, optando por uma dieta 100% baseada em plantas. Nos casos mais severos de degeneração, já recorro à alimentação medicinal, que além de vegana, é crua, cheia de enzimas, probióticas, nutrientes e vitaminas, para desintoxicar a fundo a pessoa e botar todas as chances do lado dela e ver ele resgatar sua integridade física (e as outras). Ninguém cura ninguém. O corpo tem plena habilidade de se curar, a idéia é a gente colaborar parando de intoxicá-lo e agredí-lo. Estudo compulsivamente a fisiologia humana e a integridade física através dos nossos hábitos, e posso lhe assegurar que livrando-se das toxinas alimentares, é uma mão na roda para ver em muito pouco tempo uma melhoria que fará com que a pessoa nunca olhe para trás.

Uma última coisa que eu gosto é lembrar que sobretudo, franceses gostam de comer. Para eles, cada bocada deve ser um orgasmo e herdei isso de minha cultura. Digamos ‘eu te amo’ com comida, é sempre um prazer fazer comidas incríveis de lindas e gostosas. Então, gosto de surpreender as pessoas com pratos que elas nem imaginam que poderiam ser feitos sem ovos, sem leite, sem queijo, sem glúten, adoro encher as mesas de manteigas, queijos, panquecas, pães, pizzas, bolachas, nutella e por ai vai. Seduzir é meu jeito de fazer, pois eu funciono assim. Sou cabeça dura, não gosto de ninguém querendo me fazer a cabeça, gosto de investigar e verificar por mim e gosto de ser surpresa positivamente pela minha experiência. Ao ver meu corpo e minha mente mudar, ao ver a paz, a saúde e a alegria que se estabeleceram na minha vida, eu simplesmente seria muito estúpida voltar para trás. E vou dizer outra, hoje em dia, não sinto falta e nem me apetecem as comidas feitos com pedaços de animais mortos ou secreções de bichos escravizados não!

Gostaria que você comentasse sobre os benefícios que este estilo de vida trouxe em sua vida, pois ao contrátio do que muitos pensam, o Veganismo possui uma infinidade de possibilidades na alimentação. Isso ocorre quando se enxerga além e se percebe que existem muitos alimentos que podem ser agregados na alimentação e que quando uma dieta é bem elaborada, a partir de vegetais, é capaz de suprir todas as necessidades nutricionais e ainda melhorar a saúde.

Gosto de mostrar para as pessoas o potencial dessa alimentação através o meu exemplo, não para me vangloriar, mas porquê ser um exemplo vivo é muito melhor do que fazer a apologia de uma escolha de estilo de vida. Acho que se você me ver 15 anos atrás e me ver hoje, eu irradio muito mais saúde hoje do que na época, o que é estranho já que na época, eu tinha 20 anos na cara, e eu devia estar no cúmulo da saúde plena, né? Mas acontece que por mais esportiva que eu era, já se via celulite, problemas circulátórios, eu cresci com asma (altamente ligada aos latícinios, assim como as outras alergias), problemas de vista e volta e meia, eu pegava um resfriado ou algo assim. Quinze anos depois, sou 10 quilos mais leve, tenho uma atividade acima do “normal”, tenho muitos trabalhos ao mesmo tempo, sou cientista, doutora em ecologia e conservação, música em duas bandas em dois estados do Brasil, professora de dança afro, pratico circo acrobático, participo de duas ONGs, recebo alunos do mundo inteiro que eu capacito pessoalmente, realizo eventos e degustações de até 2,500 pessoas, sou chefe crudivegana e educadora em alimentação saudável, tenho 10 bichinhos em casa para cuidar e uma casa, e logo um bebê. Quem diz que para ser saudável, tem que ter dinheiro e tempo, saíba que em teoria então, eu não existo pois ainda não possui muito de nenhuma dessas duas coisas, mas o tempo é dinheiro e o tempo é nos que fazemos…

Acredito que realmente, a hora que as pessoas saem tomar uma cerveja no bar ou vão para a balada, eu escrevo, estudo, toco um chorinho ou capacito alguém. Não tenho TV por opção desde que sai da casa dos meus pais com 18 anos, não sinto falta não, não teria nem tempo e nem pique para aturar esse lixo televisual que vende valores deturpados e mentiras de tamanho corporativo.

São opções. Somos a soma de nossas escolhas. Escolho construir uma vida cheia de vida, e saúde plena, o resto, a gente corre atrás. E como todo esse conhecimento que juntei, fico feliz em poder ajudar as pessoas ao meu redor, pois estou muito triste de ver como essa sociedade lucra sobre a miséria das pessoas e saíbam que existe muito (muito, muito) sofrimento desnecessário. Que eu possa ser uma pecinha para reverter isso e trazer de volta a luz e o discernimento na vida das pessoas, pois é direito divino de todos nos ter acesso à vida plena.

A dieta vegana e crudivegana são infinitamente variadas. No reino vegetal, existe muitos truques para você obter as texturas que você conhece do reino animal, sempre falo que pode se fazer todos os pratos que gosta com produtos 100% vegetais, sem problema e com muito gosto mesmo. Sabores a mil!!!

Além do mais, é sua saúde que vai melhorar dramaticamente, a sua clareza mental, suas unhas, pele cabelo vão retratar a sua melhoria geral, o seu sistema imunológico vai ficar fortão, acabou depressão, insônia e constipação, você simplesmente tornará-se uma versão aprimorada de si. Acredito que isso será o fator principal motivador de sua mudança.

Pode ser que a sua consciência @ chame, pode ser a sua saúde o peça, mas de qualquer maneira, o futuro é vegetal pois a nossa fisiologia o pede. Quem trabalha junto com a Natureza irá longe. Quem teimar em se achar acima das regras da natureza inelutavelmente irá sofrer as consequências disso. Que possamos seguir nossas consciências e a nossa intuição. Somos a Natureza e nela, encontraremos todas as respostas que precisamos para essa experiência humana. Estou aqui às ordens para quem precisa de ajuda, com ânimo, vitalidade e muito Amor. Meus dados para contato: sophie@paodasophie.com.br (paodasophie.com.br, (45) 8412 6324 (whats/TIM). Um abraço do lado do coração! Estamos conectad@s

AGORA, A HORA DA RECEITA DA SOPHIE J

Entrando no outono agora, vamos comemorar com uma receita satisfatória, nutritiva ao máximo, deliciosíssima e reconfortante. Rica e leve ao mesmo tempo, um cafuné para a alma e o corpo, o famoso “Toddinho” da Sophie.

Ingredientes:

  • 2 xícaras de leite vegetal (experimente o leite de inhame: coloque um inhame médio cortado em cubos em 3 xícaras de água quente, bate e coe., é magro, vitamínico e barato)
  • ¼ xícara de alfarroba
  • meia fava de baunilha
  • 5-6- tâmaras medjools frescas
  • 1 banana bem madura

Preparo:

Coloque os ingredientes em seu liquidificador. Bata até homogeneizar.

Pronto!

Delicia-se, sem medo, sem culpa e sabendo que essa comida lhe cura e lhe fará mais irradiante <3

pudim com todinho

Obs. Você pode bater ele com 1 ou 2 colheres de sopa de sementes de chia para dar mais um capricho nutricional (vide foto acima). Fica uma delícia!!

Clique aqui a demonstração em vídeo no meu canal.

Siga me no Youtube e no Facebook.

Anne-Sophie Bertrand
Me siga!
Últimos posts por Anne-Sophie Bertrand (exibir todos)
Compartilhe este Pão
Deixe uma resposta

Seu carrinho

0

Nenhum produto ainda, visite nossa loja